Frente de explosões na Turquia

Ataque terrorista em Ancara faz 28 mortos e 61 feridos. Turquia em estado de alerta proíbe a "media" local de partilhar informações sobre o ataque e bloqueia a rede "facebook". 

No passado dia 17, quarta-feira, uma forte explosão foi sentida na capital da Turquia, perto da zona do Parlamento. O ataque terá causado pelo menos 28 mortos e 61 feridos e ao que tudo indica, sido realizado com o uso de um carro armadilhado que se fez explodir perto de um bloco residencial para militares oficiais. 

As causas concretas do ataque são ainda desconhecidas sendo que nenhuma organização reivindicou o ataque até agora, no entanto, a Turquia faz fronteira com a Síria devastada pela guerra civil e é sabido que o governo de Ancara tem más relações tanto com os terroristas do Estado Islâmico como com as forças curdas, estas ultimas geralmente apoiadas pela comunidade ocidental. 

Artilharia Auto-propulsada da Turquia estacionada na fronteira com a Síria.

O governo decretou que os "media" não podem noticiar nada sobre este tema e a rede social "facebook" está bloqueada naquele país como medida para conter possíveis fugas de informação. O presidente turco afirmou também que o seu país irá reagir em meio a estes ataques.

"A Turquia reserva-se ao direito de responder, quando e onde assim o achar". - Disse o presidente turco Recep Tayyip Erdoğan, numa clara ameaça aos responsáveis por estes ataques, que como se sabe, deverão provavelmente ser de origens "sírias". 

Não é a primeira vez que ataques deste tipo são realizados contra a Turquia, no ano passado, em Outubro, cerca de 100 pessoas morreram numa explosão, também em Ancara.

Na imagem, cinco aviões F-15 sauditas. A Arábia Saudita já tinha informado que iria enviar alguns dos seus caças para serem estacionados na Turquia.

A Turquia é um dos países que apoia uma zona de exclusão aérea na Síria assim como o envio de forças terrestres para o terreno, afirmando que ataques aéreos não são suficientes para afirmar resultados no campo de batalha. Forças militares daquele país já realizam bombardeamentos com uso de artilharia a partir do seu próprio território mas os meios usados podem agora mudar com este ataque.

A Arábia Saudita por exemplo, já tinha informado, antes deste ataque, que enviaria alguns dos seus aviões F-15 para serem estacionados na Turquia em ordem a bombardear posições do Estado Islâmico, assim como a Polónia mostrou interesse em apoiar os seus aliados da OTAN com os seus aviões super-sónicos F-16C/D Block52+.  

Avião F-16C polonês. A Polónia já tinha informado ter aviões disponíveis para apoiar os seus aliados da OTAN, a situação na Síria torna-se cada vez mais perigosa com cada vez mais nações envolvidas de algum modo no conflito. 

A situação na região torna-se cada vez mais perigosa com o número de nações envolvidas a aumentar consideravelmente, alguns jornalistas consideram até que, dentro da Síria, uma mini-guerra mundial está em curso.

Oiça este audio da RTP: www.rtp.pt/noticias/mundo/presidente-da-turquia-promete-responder-aos-ataques-em-ancara_a896938

Fontes: Próprias// Arquivos Independentes(PDN)// Portal SIC Notícias// Portal RTP// Correio da manhã.

Texto: Portugal Defense News... and global

 

Etiquetas

A lista de etiquetas está vazia.